Loading...

domingo, 30 de novembro de 2014

MONITORAMENTO ELETRONICO OTIMIZA ATENDIMENTO DA GUARDA MUNICIPAL DE DOURADOS MS

Guarda Municipal implanta sistema de monitoramento

Além do interior da praça, os arredores também são flagrados pelas câmera


A segurança na praça Antônio João será reforçada durante 
os dias do Dourados Brilha, campanha de Natal que a 
prefeitura realiza a partir de segunda-feira, dia 1º de 
dezembro. Cabos de fibra ótica são instalados na área 
central da cidade para a implantação de câmeras que vão 
auxiliar a Guarda Municipal nos trabalhos de vigilância.
No ano passado, os equipamentos foram decisivos para 
flagrar aqueles que tentavam cometer crimes na área 
central. “Todas as imagens caem diretamente numa central 
que fica na Guarda. As imagens são acompanhadas a todo 
momento e qualquer movimentação suspeita é relatada à 
equipe que está nas ruas”, explica o comandante João 
Vicente Chencarek.
Além do interior da praça, os arredores também são 
flagrados pelas câmeras, além da área que abrange os 
bancos. Os equipamentos ficam 24h ligados vigiando 
trechos da avenida Presidente Vargas, Marcelino Pires e 
Joaquim Teixeira Alves. “A praça e os arredores ficam 
sempre bem frequentados, então precisamos do maior 
cuidado possível para evitar a ocorrência de crimes”, relatou 
o comandante.

sábado, 29 de novembro de 2014

MEGA OPERAÇÃO COM AGENTES DA GUARDA MUNICIPAL; CIPTRAN E AGETRAN COM BLITZ NA AVENIDA EULER DE AZEVEDO EM CAMPO GRANDE

Blitz em uma das avenidas mais movimentadas da Capital orienta; chama atenção e põe em dia fiscalização no transito da capital.

 

 

 

Com trabalho de orientação, a fiscalização em conjunta das instiuições de Segurança Publica

pegou de surpresa muita gente acostumada a trafegar com veiculos irregulares pelas ruas da capital

Uma blitz, realizada em conjunto com a Agetran (Agência Municipal de Trânsito), PM (Polícia Militar) e GMCG (Guarda Municipal de Campo Grande), na manhã deste sábado (29), na Avenida Euler de Azevedo, causou surpresa aos motoristas
A avenida, uma das mais movimentas da Capital, dá acesso à região dos quartéis e da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco). O local tem tráfego intenso, quase que diariamente, um pouco antes do cruzamento com a Avenida Tamandaré, no sentido bairro-centro.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

AOS GUARDAS MUNICIPAIS DO BRASIL... AQUI EM CAMPO GRANDE TEM AGENTE GESTOR QUE FAZ ACONTECER....

SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES
INSTITUCIONAIS

PORTARIA NORMATIVA CGSP/SEGOV N.001, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014.

VALÉRIO AZAMBUJA,
 Coordenador-Geral de Segurança Pública de Campo
Grande, Capital do Estado de Mato Grosso do Sul, 

no uso das atribuições legais,
Considerando a edição da Lei Federal nº. 13.022/2014, de 11.08.2014, art.
5º, Inciso VI, que traz a seguinte redação: “São competências específicas das guardas
municipais, respeitadas as competências dos órgãos federais e estaduais... exercer as
competências de trânsito que lhes forem conferidas, nas vias e logradouros municipais,
nos termos da Lei Federal n. 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito
Brasileiro), ou de forma concorrente, mediante convênio celebrado com órgão de trânsito
estadual ou municipal”;
Considerando que a segurança viária deva ser trabalhada de forma indissociável
da Segurança pública, dever da Administração pública, em todos os níveis federativos
(União, Estados e Municípios), direito e responsabilidade de todos, e ainda, que estamos
em plena Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito, proposta pela
Organização das Nações Unidas, e ratificada pelo Brasil, para o período de 2011 a 2020;
Considerando que a fiscalização de trânsito é o “ato de controlar o cumprimento
das normas estabelecidas na legislação de trânsito, por meio do poder de polícia
administrativa de trânsito, no âmbito de circunscrição dos órgãos e entidades executivos
de trânsito e de acordo com as competências definidas neste Código”,
RESOLVE:
Art. 1º Determinar que os servidores da Guarda Civil Municipal de Campo
Grande/MS, habilitados a atuarem na função de Agentes de Fiscalização de Trânsito, na
circunscrição de Campo Grande, adotem o uniforme descrito no Anexo I desta portaria.
Art. 2° Aprovar o layout das viaturas a serem utilizadas para esta finalidade,
conforme Anexo II desta portaria.
Art. 3º Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Campo Grande MS, 21 de novembro de 2014.
VALÉRIO AZAMBUJA
Coordenador-Geral de Seg. Pública
Comandante da Guarda Municipal

UNIFORME UTILIZADO PELOS GUARDAS CIVIS MUNICIPAIS DE CAMPO
GRANDE – MS NA FUNÇÃO DE AGENTE DE TRÂNSITO
* Imagem Ilustrativa
Uso e Equipamentos do Agente
a) Utilizado no policiamento de trânsito urbano;
b) Gandola deverá ser de mangas longas e poderá o agente
usá-la com as mangas dobradas logo acima do cotovelo;
d) Gorro branco com a descrição “GCM” bordada em linha
poliéster Azul-Marinho;
e) Tarjeta de identificação bordada, costurada ou aplicada
logo acima do bolso direito da gandola;
f) Cinto de guarnição em couro branco e talonário lateral;
g) Coturno preto padrão ou Bota preta (tipo batedor);

h) Cordão branco com apito.

SAUDAÇÕES AZUL MARINHO E SOCIALISTAS
TENHO UMA SATISFAÇÃO A CADA PUBLICAÇÃO OFICIAL DESTE NOVO COORDENADOR GERAL DA GMCG-MS.
SEMPRE LUTANDO PELO COLETIVO NESTES CINCO ANOS DE GM, E MESMO NÃO PARTICIPANDO DA GESTÃO ME CINTO REALIZADO A CADA ETAPA ACERTADA POR ESTE HOMEM 
"VALERIO AZAMBUJA"
 E SUA EQUIPE.
GM ALBERTO.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

PARABENS COORDENADOR GERAL DA GMCG PELA AÇÃO ESTRATÉGICA...

DIZ-SE HAVER TRÊS TIPOS DE LIDERES:
A - AS QUE FAZEM ACONTECER
B - AS QUE APENAS OBSERVAM ACONTECER
C- E AS QUE SE SURPREENDEM COM O QUE ACONTECEU
O COORDENADOR GERAL DA GMCG VALÉRIO AZAMBUJA TEM ATUADO DE FORMA QUE FAZ ACONTECER NA CIDADE DE CAMPO GRANDE.
EM CINCO ANOS DE GUARDA MUNICIPAL  TIVEMOS O DESPRAZER DE SER COORDENADOS POR HOMENS QUE AGORA, DE LONGE(GRAÇAS A DEUS)OBSERVAM E SE SURPREENDEM COM AS AÇÕES DESTE PROFISSIONAL, QUE MOSTRA A CADA DESAFIO COMO DESENVOLVER PLANEJAMENTOS DE SEGURANÇA PUBLICA.
ENQUANTO OS INIMIGOS DA GUARDA MUNICIPAL SE MOBILIZARAM NOS BASTIDORES PARA TRIPUDIAR EM CIMA DA OCORRÊNCIA COM O PM ALTERADO.
O COORDENADOR DA GMCG AGIU DE FORMA PROFISSIONAL E EFICIENTE.

A Guarda Municipal de Campo Grande MS terá protocolo de atuação em casos de detenção de agentes de autoridade e autoridades policiais

Aumentar texto Diminuir texto



A Guarda Municipal de Campo Grande divulgou uma nota de esclarecimento sobre a detenção de um policial militar, no último sábado (15). A detenção aconteceu durante uma abordagem, próximo à Feira Central. O policial estava armado e irritado, desacatou os guardas municipais.

Na nota, a Guarda Municipal cita a reunião entre o comandante da Guarda Civil de Campo Grande, Valério Azambuja e comandante geral da Polícia Militar, Valter Godoy Rojas, na terça-feira (18) e explica que ficou acordado entre as duas corporações, que a partir de agora, haverá um protocolo de atuação em relação às ações da Guarda Civil Municipal de Campo Grande, relacionadas às eventuais detenções e prisões de integrantes de forças que atuam na segurança pública de Campo Grande.
Polêmica
Após a noticia da detenção do policial, a assessoria de imprensa da PM informou que o caso foi um “mal entendido”, e que as instituições sempre foram parceiras em ações de combate ao crime e que já havia sido estabelecido um diálogo para saber o que levou à detenção do militar.
 O presidente do Sindicato dos Guardas Municipais, Hudson Pereira Bonfim divulgou nota repudiando qualquer ‘desentendimento’ entre as forças.
Após os comandos das duas forças de segurança ressaltarem a cooperação entre elas, hoje (19), veio à tona uma CI (Comunicação Interna) do Comando Metropolitano da Polícia Militar reprovando a abordagem dos guardas municipais que prenderam o policial militar. Foi divulgada a reunião entre os comandantes das duas corporações para tratar do assunto e a ACS (Associação de Cabos e Soldados) divulgou uma nota, onde classificou como ‘desastrosa’ a conduta dos guardas municipais.
Leia a nota da Guarda Municipal na integra:

Nota de esclarecimento

O comandante da Guarda Civil de Campo Grande após reunião com o comando geral da PM MS na manhã de 18/11/14, às 10h, acordou com a PM MS que a partir desta data será celebrado um protocolo de atuação em relação às ações da Guarda Civil Municipal de Campo Grande, relacionadas às eventuais detenções e prisões de integrantes da PM MS, bem como das demais forças que atuam na segurança pública município de Campo Grande.
O referido protocolo estabelecerá de forma de sucinta, o rito a ser seguido quanto a eventuais detenções de membros das forças de segurança pública, como forma de harmonizar as relações entre as instituições, visando o bem comum: segurança para a população de Campo Grande.
Em relação à conduta e a forma que ocorreu a prisão de um integrante da PM MS, foi lavrado ocorrência junto ao Depac-Centro e será objeto de apuração.
A conduta da equipe que participou da prisão do militar será objeto de sindicância interna na GMC, para apuração de eventuais excessos.
A Guarda Civil Municipal de Campo Grande possui competência legal para atuar, além da proteção dos próprios do município, atuar de forma preventiva em proteção a população campo-grandense, conforme previsto no estatuto das guardas municipais lei n. 13022 de 8 de agosto de 2014.







ATENÇÃO GUARDAS MUNICIPAIS DO BRASIL.......

TODA AÇÃO TEM UMA REAÇÃO!
E A REAÇÃO CONTRA AS GUARDAS MUNICIPAIS VEM SEMPRE DOS MESMOS PERSONAGENS......
informações captadas em meio as redes sociais visto que graças  a tecnologia da informação as manipulações de fatos e injustiças e seus autores são logo identificados

Comandante Metropolitano da PMMS reprova, acusa e condena abordagem de Guardas Municipais que conduziram policial militar alterado.


Por meio de um CI (Comunicado Interno), o

coronel Paulo Cesar Monteiro Ayres, do 


Comando do Policiamento Metropolitano, 


analisou o episódio do fim de semana, onde 


um policial militar foi detido pela Guarda 


Municipal, como sendo a forma equivocada.

No fim de semana, foi relatado que um 


soldado da PM (Polícia Militar) foi detido 


pela Guarda Municipal após se negar a ser 


abordado pelos servidores. Em um primeiro 


momento, os militares foram chamados pelo 


Ciops (Centro Integrado de Operações de 


segurança), porém quando a equipe chegou ao 


local informado, o suspeito abordado já não 


estava.

Com isso, os guardas fizeram uma nova 


abordagem ao militar, em outro local, porém 


desta vez a PM não foi informada. conforme 


CI do coronel Paulo Cesar Monteiro Ayres  


Transparece que os guardas municipais "não 


satisfeitos", chamaram reforços, e, pelo que consta, 


organizaram-se como uma "milícia uniformizada" 


com o intuito de localizar e capturar o suposto 


policial, e após encontrarem, ao invés de acionarem 


a POLÍCIA via 190 (CIOPS) para as providências 


cabíveis, agiram por conta própria com o risco para 


integridade física deles mesmos e das pessoas que 


estavam no local, demonstrando incapacitação, pois 


tal ação poderia ter tido desfecho trágico, 


considerando que o "suposto" policial estava armado 


com pistola de alto poder de fogo.


No documento, o comandante lembra que 


guarnição da PM foi acionada apenas uma vez 


não localizou o suposto militar que se 


negava a ser revistado. O fato foi relatado 


ao Ciops e a guarnição, que faria a escolta, 


se pôs a disposição da Guarda Municipal para 


acompanhar a prisão caso ocorresse novamente.


Esta atitude, de acordo com o CI faz parte 


do Estatuto dos Militares, onde, “as 


prerrogativas do policial militar foram 


desrespeitadas, pois, após ser preso em 


situação de flagrância deveria ser 


devidamente escoltado por policiais militares 


conforme dispõe o artigo 71 da Lei 


Complementar nº 053, de 30 de agosto de 


1990: Artigo 71 - Somente em caso de 


flagrante delito, o policial-militar poderá 


ser preso por autoridade policial civil, 


ficando esta obrigada a entregá-lo, 


imediatamente, à autoridade policial-militar 


mais próxima, só podendo retê-lo na 


delegacia ou em outrolocal, devidamente 


escoltado por policiais-


militares escalados para tal fim, durante o 


tempo necessário à lavratura do flagrante”.


A atitude tomada pelo coronel Ayres em fazer 


o Comunicado, se dá pela estranheza da 


ação, “venho formalizar o manifesto de 


veemente repúdio e indignação com a conduta 


atuação dos Guardas Municipais nesse 


lamentável episódio. (...) Em análise perfunctória 


pode-se observar indícios de várias irregularidades 


na condução da ocorrência pela Guarda Municipal, 


tais como:

a) Condução coercitiva;

b) produção de lesões corporais;

c) uso indevido de algemas;

d) violação aos direitos legalmente constituídos”.

Tal ação é vista pelo coronel como irregular para 

atribuições da Guarda Municipal“No próprio 


Boletim de Ocorrência os guardas municipais 


relatam que estavam abordando e averiguando 


pessoas aleatoriamente em busca de armas e 


drogas, numa flagrante usurpação de função 


da Polícia Militar e da Polícia Civil,quando 


deveriam se ater as suas atribuições 


constitucionais, ou seja, primeiramente 


zelar pela proteção dos bens municipais, 


serviços e instalações públicas”.

Com isso, o comandante ressalta uma 

preocupação no preparo dos guardas em agirem 


de forma ostensiva. “Reitero minha preocupação 


de que ações descontroladas e irresponsáveis dessa 


natureza voltem a ocorrer, pois o reflexo deste fato 


gerou desconforto e animosidade, conforme aponta 


matéria jornalística do site Midiamax em anexo, 


em  que integrantes da Guarda Municipal incitam o 


confronto entre os membros das duas Corporações, 


sendo necessárias imediatas por parte de ambas as 


instituições, com a exemplar apuração e rigorosa 


responsabilização dos envolvidos.


Ressalto que os cidadãos campo-grandenses não 


podem ficar a mercê de ações inconsequentes e 


carregadas de arbitrariedades e truculências, atitudes  

que não colaboram em nada com a melhoria da 

segurança pública e, principalmente, na integração, 


cooperação e respeito mútuo entre os órgãos que 


compõem o Sistema de Segurança Pública.


Após esse episódio, registro minha preocupação em 


relação à concessão do porte de arma para a Guarda 


Municipal sem que haja o devido preparo técnico e 


psicológico necessário.


Diante do acima exposto, informo que a 


Corregedoria da PMMS foi cientificada do corrido e 


será instaurado o competente procedimento  


administrativo para fins de apuração rigorosa do 


fato, e, consequentemente, 


avaliar a conduta do policial militar envolvido. 


Proponho que o Ministério Público e o Comando da 


Guarda Municipal sejam notificados sobre a 


ocorrência em questão, com o escopo de que as 


providências cabíveis sejam adotadas e havendo 


constatação de ilicitudes, que os envolvidos nessa 


ocorrência sejam devidamente responsabilizados e 


exemplarmente punidos.

A assessoria da PM que informou que, o

documento foi realizado para circulação 

interna e que ele se restringe em analisar o 

contexto de como o episódio da abordagem 

ocorreu. “O Estatuto Militar, de forma 

geral, 

sempre pede que a mesma força de quem está 

sendo preso acompanhe a ação. Seja policial 

militar, do exército e assim por diante”, 

explica.

Além disso, o informativo ressalta que a 

conduta da abordagem ofereceu risco, uma vez 

que o suspeito que estaria se negando a ser 

abordado estava armado, podendo causar 

transtornos quem fazia trabalho ostensivo

e a população do local. “As duas forças 

trabalham juntas e acredito que isso não vai 

mudar, pois a preocupação do texto foi em 

melhorar o serviço para a segurança do 

cidadão, afinal, é para o bem dele que as 

duas instituições trabalham em parceria, 

porém um policial militar é submetido a uma 

academia de treinamentos físicos e 

psicológicos que dura entre dez a doze 

meses, para ter a formação de abordagem e 

uso de arma de fogo. Diferente da Guarda, 

onde os servidores passam por um treinamento 

com tempo inferior a um semestre. Ou seja, 

se trabalho dele será equiparado ao da PM, 

conforme novas regulamentações, o tempo de 

treinamento deve ser equivalente também, 

assim quem faz a abordagem, quem é abordado 

quem passa pelo local da vistoria se 

sentirão seguros”.

A PM disse que o CI não tem vinculo com a 

Corregedoria da instituição, sobre a conduta 

do militar abordado no fim de semana, 

independente do tipo de abordagem realizada.


DECLARAÇÕES DE QUEM TEM CORAGEM E PATENTE PARA SE POSICIONAR CONTRA AS GUARDAS MUNICIPAIS: ELE CITOU O CÓDIGO PENAL ARTIGO 288 a QUANDO DISSE  "MILICIA UNIFORMIZADA" ATENÇÃO SENHORES GUARDAS TEMOS O SINDGMCG COM O ADVOGADO MARCIO ALMEIDA PARA ORIENTA-LOS QUANTO AOS SEUS DIREITOS POIS 
 TENTARAM POR PANOS QUENTES, ENQUANTO QUE INTERNAMENTE ESTÃO DETONANDO AS AÇÕES DA GM.
 POIS AS POLICIAS: PF; PRF; PM; CV; GM,  SEMPRE TERÃO AGENTES ALTERADOS QUE SERÃO DETIDOS E ENCAMINHADOS POR AQUELES QUE ESTÃO CUMPRINDO O DEVER.
E SEGUNDO A LEI, OS GUARDAS MUNICIPAIS CUMPRIRAM SUA OBRIGAÇÃO DE MANTER A ORDEM PUBLICA, POIS AS FEIRAS E A ORLA MORENA ESTÃO SIM DENTRO DA SUA JURISDIÇÃO, PARABÉNS AOS GUARDA MUNICIPAIS.
 E ABRAM O OLHOS SENHORES GUARDAS.....
POIS AS DECLARAÇÕES DE TAL PATENTE DEMONSTRA SIM QUE O SERVIÇOS PRESTADOS PELA GUARDA MUNICIPAL SERÃO SEMPRE FISCALIZADOS POR AQUELES QUE FALHARAM EM SUA MISSÃO DE POLITICAS PUBLICAS NA SEGURANÇA
 E NÃO ADMITEM A TRANSFORMAÇÃO DA POLITICA DE SEGURANÇA PUBLICA QUE COLOCA OS GUARDAS MUNICIPAIS NO PAPEL PRINCIPAL DE ATUAÇÃO JUNTO A SOCIEDADE
ESTE COMPETENTE COORDENADOR GERAL DA GMCG QUE AI ESTA, TEM FEITO UM TRABALHO EXCELENTE MAS PRECISA DA CONTRIBUIÇÃO E VIGILÂNCIA CONSTANTE DOS  AGENTES DA GUARDA MUNICIPAL NA ATUAÇÃO DE SEUS SERVIÇOS JUNTO A COMUNIDADE PARA NÃO CAÍREM NAS GARRAS DE HOMENS INESCRUPULOSOS QUE NÃO PERDERÃO OPORTUNIDADES PARA DESMERECER A ATUAÇÃO DA GLORIOSA GUARDA MUNICIPAL E SEUS AGENTES.





sexta-feira, 14 de novembro de 2014

OS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO VÃO CONTINUAR EM GREVE, E MAIS:.......

Professores mantêm greve e mobilizam campanha para pagar multa de liminar



anunciaram uma 'vaquinha' para pagar multa diária 

de R$ 25 mil por descumprirem decisão da Justiça 

que mandou 80% da categoria voltar às salas de 

aula. A decisão foi tomada em assembleia na manhã 

desta sexta-feira (14).


Após anunciar o resultado da votação, o presidente 

da ACP (Associação Campo-Grandense dos 

Profissionais em Educação), Geraldo Gonçalves, 

disse 

que vai mobilizar uma campanha para pagar a multa 

de descumprimento da liminar.


Na quinta-feira (13), a decisão do TJ (Tribunal de 

Justiça) concedida pelo desembargador Romero 

Osme Dias Lopes determinou que 80% dos 

professores retornem ao trabalho.


Ao todo, 396 professores participaram da votação na 

assembleia desta sexta. O resultado foi apertado, 

212 optaram pela greve e 184 profissionais votaram 

contra a paralisação.

A categoria alega que a greve é legal e que a vai 

entrar com recurso para recorrer da decisão. Se for 
considerado que 20% dos 8.565 professores que a 

Reme diz ter apoiem o movimento, os professores 

terão de gastar em torno de R$ 15 por dia para 

bancar o 'custo judicial diário da greve'.


A professora Tania Ferraciole, ressaltou que a 

permanência da greve foi votada apenas entre os 

professores sindicalizados, o que significa que alguns 

educadores podem decidir por retornar ao trabalho. A 
última informação do sindicato apontava que a greve 

atingia 66% das quase 100 escolas da Reme.


Foi agendada nova assembleia para a próxima 


segunda-feira (17). Na terça-feira (18), 

representantes da categoria seguem para a Câmara 

Municipal de Campo Grande para falar com os 

parlamentares.